Falcoaria Online

AutorIsrael Pimentel

Saúde dos Rapinantes na falcoaria

Não é objetivo deste texto ensinar a diagnosticar ou muito menos conhecer o tratamento dos diversos problemas que podem acometer as nossas aves , pois esta é uma atribuição do Médico Veterinário, mas precisamos estar atentos e sermos capazes de identificar sinais de possíveis doenças e perceber rapidamente o aparecimento das lesões mais comuns em aves treinadas em falcoaria e principalmente saber como prevenir estes problemas.

Pequena lesão de tarso. A parte rugosa para dentro e bracelete largo causou uma lesão por compressão na região da borda superior do bracelete.

Pequena lesão de tarso. A parte rugosa para dentro e bracelete largo causou uma lesão por compressão na região da borda superior do bracelete.

Temos, dentro das técnicas empregadas na falcoaria, procedimentos que apesar de indispensáveis, podem ser geradores de lesões muitas vezes graves, se não forem tomados cuidados básicos na sua execução.

Um dos problemas mais comuns que acometem as aves nas fases iniciais do treinamento é a lesão nos tarsos causada pelos braceletes. São lesões de gravidade variável e que podem ser minimizadas ou mesmo completamente evitadas pela observação de alguns cuidados bastante simples.

Primeiramente braceletes do tipo “aylmeri” são os mais indicados pois são mais seguros, permitem um ajuste adequado, praticamente eliminam a possibilidade de torção do bracelete e proporcionam boa distribuição da pressão sobre o tarso.

Devemos ser extremamente criteriosos na escolha do couro a ser utilizado nos braceletes.O couro impreterivelmente natural deve ser o mais fino e maleável possível, mantendo no entanto a resistência adequada à espécie em que será utilizado. A estética deve ser deixada de lado e a face lisa deve ser a escolhida para estar em contato com a pele da ave. Mesmo lixada, a textura da face interna (rugosa) é muito mais abrasiva que a face externa (lisa). Braceletes mais largos devem ser preferidos pois distribuem a pressão sobre uma área maior do tarso. Em geral braceletes com a largura de um terço do comprimento do tarso são adequados. Leia Mais

Pesquisadores observam que falcões prendem pássaros em rochas para comê-los mais tarde

falcao-aprisiona-aves-800x500

Ornitólogos da Universidade de Rabat, no Marrocos que realizavam um trabalho de campo na ilha de Mogador puderam registrar que os falcões daquela região apresentam um comportamento bastante estranho. O ornitólogo Abdeljebbar Qninba, relatou que observou pequenos pássaros presos entre fendas das rochas. A observação se tornou curiosa quando percebeu que os falcões estavam prendendo pequenas aves nas rochas de forma que ficassem vivas, porém, não pudessem se soltar.

O objetivo da façanha seria manter as aves vivas e frescas para uma refeição futura. Abdeljebbar disse à revista New Scientist que percebeu que as penas das asas e da cauda dos pequenos pássaros foram milimetricamente removidas pelos falcões, o que os impedia que poder voar caso de soltassem das pedras.  A especie em questão é Falco eleonorae. Leia Mais

VOCÊ QUER REALMENTE TORNAR-SE UM FALCOEIRO?

O Falcoeiro Juscelino Luís realizando o exercpicio de Lure-fly com Rá, o falcão.

O Falcoeiro Juscelino Luís com Rá, o falcão-de-coleira. Foto de Fernando Icaro

Você pode ter lido recentemente sobre esta antiga arte em um livro ou visto sobre o assunto através da televisão e rádio, talvez um filme, ou pode ter visto um falcão treinado em ação. Seja qual for o caso, você obviamente ficou impressionado o suficiente para querer saber mais sobre o esporte da falcoaria, e nós apreciamos seu interesse.

Poucas pessoas entendem quanto esforço e tempo é necessário para voar e treinar aves de rapina com qualidade, mantendo sua saúde em dia e praticando tudo dentro da lei e ética. Menos ainda estão dispostos a fazer os sacrifícios necessários.

  • Você possui tempo?


Falcoaria não é uma conquista de “fim de noite” Torna-se um falcoeiro aquele que estudou e se dedica a pratica de forma correta, procura associações ou falcoeiros experientes para o aprendizado. Seu falcão ou gavião requer uma quantidade significativa de tempo, todos os dias, 365 dias por ano, e uma filhote exige muito mais tempo. Rapinantes, ao contrário de um cão, necessitam de manejo constante e de conhecimento . Você pode conviver com este compromisso de tempo, mas e sua família está ciente disso? Seus filhos? Seu trabalho? Leia Mais

Controle de fauna (pombos, pardais e outras especies) com a utilização da falcoaria!

 

A técnica de Falcoaria tem gerado resultados satisfatórios em controle de fauna na França e Espanha (Enrique, 2004), assim como no Brasil . Na Espanha esta atividade foi iniciada em 1968 como uma forma experimental na Base Aérea de Torrejón de Ardoz e desde 1970.

A utilização da falcoaria para controle de fauna, tem seu fundamento na relação espontânea das presas ocorrentes no local perante seu “inimigo” natural, abandonando aqueles territórios onde exista a presença frequente de seu respectivo predador. A presença periódica dos predadores em atividade de caça, facilmente perceptível, é eficaz no afugentamento de espécies problemas como o pardais, andorinhas, pombos e outras especies. Leia Mais

Pular para a barra de ferramentas